Google+ Followers

Google+ Followers

domingo, 19 de agosto de 2012

Selva de Pedra

Com poucas áreas verdes disponíveis, 
moradores de grandes cidades têm tomado
a iniciativa de trazer a natureza 
para dentro de suas casas

 Nesta imagem a sacada do apartamento, reúne flores e frutas.

COM CERCA DE 11 MILHÕES DE HABITANTES, SÃO PAULO, A CIDADE MAIS POPULOSA DO BRASIL - E SEXTA DO MUNDO - POSSUI APENAS 2,6 METROS QUADRADOS DE ÁREA VERDE PÚBLICA PER-CAPITA. Os dados da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente mostram que, nesse ritmo, vai ser duro continuar. Não à toa, soluções para deixar o cotidiano mais urbanizado têm partido, cada vez mais, de iniciativas privadas. O que hoje parece ser um nicho de mercado para arquitetos e paisagistas, no futuro pode se tornar essencial para tornar melhor a qualidade de vida de toda população. Soluções para deixar o dia a dia mais orgânico em casa podem vir desde a implementação  de um teto verde até o plantio de uma mini-horta ou uso estratégico do espaço em um apartamento. E nem sempre é necessário um alto investimento para ter mais acesso à natureza. Para o agrônomo Marcelo Noronha, do Minha Horta, todos podem começar com pequenos projetos em casa, utilizando vasos menores. "Comece com temperos como manjericão, cebolinha ou brotos, que são ricos em nutrientes", ensina.

 Nesta outra cuidados especiais de Patrícia Toldi com seu teto verde

Cada vez mais, o telhado verde deixa de ser uma medida restrita a poucos países como Alemanha e Estados Unidos para se tornar realidades em cidades de todo o mundo. A cobertura vegetal fornece isolamento acústico e térmico, facilita a captação e o armazenamento de água da chuva e pode até servir como área de lazer ou espaço para um jardim. Uma das maiores vantagens é deixar os ambientes mais frescos no verão e quentes no inverno. Na capital paulista, o agrônomo Marcelo Noronha montou um solarium com horta sobre garagem de uma casa em Moema. Tem alface, tomate cereja, couve, espinafre e rúcula, além de temperos como salsinha, cebolinha, manjericão, orégano e hortelã. "Dimensionamos o quanto a laje aguentaria de terra molhada, passamos uma viga por baixo e subimos as bordas", explica Marcelo.


Para começar a construção de um teto verde, ele diz, é necessário primeiro estudar as condições de cada telhado. Segundo o agrônomo, a técnica vai em encontro a nova "agricultura urbana" ou da implantação de um "jardim funcional", tendência que acredita estar crescendo. "A agricultura urbana resgata o hábito de saber plantar, acompanhar o crescimento de um alimento até o consumo. Com apenas 10 metros de horta, uma família de três ou quatro pessoas consegue ser autossuficiente", garante ele.


Quando a aposentada Clarice Galvão deixou a casa em que vivia para morar num apartamento no bairro de Santo Amaro com uma grande sacada, trouxe consigo plantas do antigo quintal. Samambaias, rendas-portuguesas e a importante coleção de orquídeas foram reajustadas em casos e organizadas numa parede de madeira cumaru. Com cerca de 24 metros quadrados, o espaço virou uma mistura de pomar e jardim nas mãos da paisagista Paula Galbi. Pés de café, laranja-kinkan, jabuticaba e romã são encontrados por ali, entre arbustos e flores como mini-gardênia, triális, mancã e lavanda. O piso ganhou um deque de madeira e janelas de vidro ajudam a manter a ventilação controlada. O sol bate na sacada até por volta do meio-dia. "O jardim de um apartamento é mais limitado do que o quintal de uma casa. Como não tomam chuva as plantas precisam ser regadas. Por causa da poluição, também devem ser pulverizadas com frequência", ensina Paula. 

PAREDE VIVA

Se ter um vaso de plantas em casa já muda todo o ambiente, o que dizer de uma parede inteira feita com plantas ornamentais? Um projeto da arquiteta Susana Udler, feito há 12 anos em uma casa no Alto da Boa Vista, em São Paulo, é um bom exemplo. O que o torna especial, ela afirma, é a escolha de plantas que se adaptaram bem ao local. Neste caso, foram usadas plantas ornamentais mais rústicas e caseiras como bromélias, samambaias e columeias, além de bambu para as divisórias. Os cuidados frequentes também ajudam a manter o muro em diferentes épocas do ano. Por questões ambientais e com ameaça de extinção da espécie, o xaxim utilizado no projeto caiu em desuso. "Existem outros materiais que não agridem a natureza. Podemos fazer uma parede verde, por exemplo, com tijolo vazado, materiais plásticos ou manta geotêxtil. Neste caso, usaria fibra de coco, material muito semelhante ao xaxim", afirma a paisagista. Para colocar uma parede forrada de plantas em casa ou até apartamento, basta prever o progresso de irrigação e drenagem da água. Devem ser levados em conta critérios como a quantidade de luz e sombra do local, assim como vento, no caso das sacadas.

Amo as Matérias e Dicas da REVISTA MAIS - PÃO-DE-AÇÚCAR

Por Camila Alam / Fotos de Felipe Gombossy

Nenhum comentário:

Postar um comentário